Dicas

Benefícios da atividade física para o coração

Benefícios para o coração

Melhora o funcionamento do coração (para um mesmo esforço, o trabalho cardíaco passa a ser menor).

Aumenta a resistência aos esforços físicos e ao stress.

Reduz doenças cardíacas (angina, infarto, arritmias, insuficiência etc).

Aumenta a sobrevida até mesmo nas pessoas que já tiveram um infarto.

Estimula uma melhor vascularização (aumento da irrigação de sangue para o próprio coração), o que garante melhor funcionamento do órgão.

Reduz fatores de risco para artérias coronárias – como pressão arterial e colesterol.

Confira dicas para perder gordura corporal

malhando

Perder gordura.
Essas duas palavras pairam na cabeça de muitas pessoas, principalmente daquelas que já estão tentando a um certo tempo e ainda não obtiveram êxito. Conseguem perder alguns quilos, mas quando pensam que será fácil e nesse ponto que tudo fica mais difícil. Os primeiros quilos são os mais fáceis de perder.

Para perder gordura existem outras duas palavras mágicas: dieta e exercício. Essa dupla dinâmica tem dado certo com a maioria das pessoas. É quase como um truque infalível, mas que exige um certo nível de força de vontade e muita determinação. Veja a seguir quais são as formas comprovadas de perder gordura.

Aumente a sua massa muscular
Provavelmente, quando o assunto é perder gordura a primeira coisa que vem até a sua mente são os exercícios aeróbicos. Eles realmente ajudam a perder uma grande quantidade de gordura, mas se você não está acima do peso poderá se beneficiar da musculação.

Os músculos consomem energia. Quando você ergue algum peso na academia, as fibras musculares precisam de uma grande dose de energia para deslizar umas sobre as outras. Assim, quanto mais massa magra você tem mais energia será consumida pelas células musculares para continuar o movimento muscular.

Reduza a quantidade de carboidratos simples
Não há como perder gordura sem mexer na alimentação. Cerca de 70% do sucesso depende da comida e apenas os 30 restantes equivalem aos exercícios físicos. Portanto, biscoitos, pizzas, pão branco, refrigerantes e outro alimentos com muito açúcar devem ficar fora da dieta.
Porém, como nós precisamos de, pelo menos, 50% de carboidratos por dia em nossa dieta, ele não deve ser banido da alimentação. A solução aqui é partir para os carboidratos complexos. Basta ir até a padaria e pedir pão integral ou quando for ao supermercado trocar o arroz branco e o macarrão comum pelo tipo integral.

Fonte: malharbem

 

 

 

Cuidado com os alimentos que dão a famosa “barriguinha”

Fit-trainingUma barriguinha saliente pode ter diversas causas: herança genética, alteração hormonal, retenção de líquido, excesso de peso, má postura. Mas certos alimentos também levam a uma incômoda distensão abdominal.

”Alimentos formadores de gases (como feijão, frituras, pães, enlatados), gordurosos e com excesso de sal podem aumentar o volume da barriga”, diz a nutricionista funcional Elaine de Pádua, diretora da clínica DNA Nutri, de São Paulo.

É importante ter atenção na hora de consumi-los, porque, além da questão estética podem provocar desconforto físico.

“O bom é que eles podem ser substituídos por opções mais saudáveis”, diz a nutricionista Paula Gandin, de São Paulo, membro da diretoria do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional (CBNF).

A seguir as especialistas fazem um raio X desses alimentos e apontam caminhos que colaboram com uma barriga mais chapada.

Pão branco e massas: alimentos feitos com a farinha refinada fornecem um carboidrato suscetível a fermentação e produção de gases que levam à distensão abdominal. “Pessoas com hipersensibilidade ao glúten (proteína presente no trigo) ou com doença celíaca podem apresentar ainda sintomas como a flatulência. Nestes casos, a melhora ocorre com uma dieta de eliminação que deve ser avaliada por um profissional de saúde capacitado”, esclarece Paula Gandin. Sugestão saudável: opte por pães e massas integrais, ricos em fibras.

Açúcar: a sacarose propicia o desenvolvimento da disbiose intestinal (desequilíbrio da flora do intestino), fazendo com que as bactérias benéficas diminuam e as bactérias prejudiciais proliferem, podendo levar à distensão. “O excesso também se transforma em energia de reserva e aumenta a quantidade de gordura abdominal”, diz Elaine de Pádua. Sugestão saudável: tente abandonar o uso excessivo de açúcar e, aos poucos, descubra o sabor natural dos alimentos.

Bebida alcoólica: o álcool aumenta a permeabilidade da mucosa do intestino, aumento o quadro de desequilíbrio da flora (bactérias) intestinal, podendo levar ao aumento de volume abdominal. Sugestão saudável: evite o consumo exagerado de bebidas alcoólicas.

Refrigerante: estufa a barriga por causa da presença do gás e pelo açúcar contido em algumas bebidas. Sugestão saudável: prefira sucos de frutas naturais.

Feijão: alguns carboidratos (oligossacarídeos) presentes no feijão escapam da digestão e são metabolizados pelas bactérias presentes na parte baixa do trato digestório, podendo causar gases e flatulência.

“Muitas vezes, são apenas observados os fatores negativos da flatulência, no entanto esses ácidos produzidos na fermentação estimulam os movimentos peristálticos do intestino e, assim, evitam a constipação”, esclarece Paula Gandin. Sugestão saudável: eliminar o alimento da dieta não é uma boa opção, devido ao grande valor nutricional. Deixar de molho e trocar de tempos em tempos a água dos grãos, antes de cozinhar, ajudam a reduzir o problema da formação de gases.

Repolho e couve-flor: esses vegetais são da família das brássicas, nas quais estão presentes compostos sulfurados capazes de aumentar a produção de gases. Sugestão saudável: seu consumo não deve ser desestimulado, pois muitas pesquisas mostram seus efeitos positivos na prevenção de doenças crônicas.

“Pessoas muito sensíveis podem evitar comer na mesma refeição dois ou mais tipos de brássicas (como brócolis, couve-manteiga, couve de bruxelas e nabo, entre outros)”, diz a nutricionista Paula.

Pimentão verde: durante o processo de amadurecimento os pimentões variam de cor, indo do verde ao amarelo ou vermelho. Os verdes são colhidos antes da maturação e como estes vegetais só amadurecem no pé, não mudam a tonalidade. No entanto, para muitas pessoas o pimentão verde pode ser de difícil digestão quando comparados aos outros.

“Alimentos mal digeridos podem causar estufamento e até formação de gordura devido ao processo inflamatório instalado”, diz Elaine de Pádua. Sugestão saudável: prefira pimentão amarelo ou vermelho.

Laticínios: para quem tem intolerância a lactose consumi-los pode gerar flatulência e diarreia. Sugestões saudáveis: leite de cereais (quinoa, arroz); leite de sementes (gergelim, girassol); leite de oleaginosas (amêndoas, castanha-do-pará); extrato de soja. “A introdução desses alimentos deve ser avaliada por um nutricionista a fim de garantir, por meio de toda a dieta, o aporte diário adequado de vitaminas e minerais”, explica Paula Gandin.

Produtos industrializados (bolacha, refrigerante, macarrão pronto, embutidos): substâncias químicas presentes nestes alimentos sobrecarregam o fígado e a vesícula. “Isso aumenta as chances de armazenar gordura principalmente no abdome, já que nesta região temos mais receptores de insulina que dão o comando para armazenar gordura”, explica a diretora da clínica DNA Nutri. Sugestões saudáveis: opte por frutas e alimentos naturais, integrais, sem corantes ou conservantes.

Confira outras dicas para uma barriguinha mais enxuta:

– Mastigue lentamente os alimentos. Mastigar mais vezes ajuda a emagrecer

– Evite beber líquidos em excesso durante as refeições

– Prefira alimentos integrais ricos em fibras

– Tenha o hábito de tomar água ao longo de todo o dia.

(IG Saúde)